Governador participa de assembleia geral da AMAM para apresentar dados econômicos

Governador participa de assembleia geral da AMAM para apresentar dados econômicos

Associados puderam debater com Pedro Taques e secretários os detalhes sobre a crise financeira e as propostas de reformas apresentadas


A crise econômica e as medidas adotadas para mitigar os seus efeitos no Estado foram os temas apresentados pelo governador Pedro Taques durante a assembleia geral da Associação Mato-Grossense de Magistrados (Amam), na última quinta-feira (08). O governador solicitou a participação para que pudesse compartilhar com juízes e desembargadores os problemas financeiros e pedir a colaboração para o enfrentamento

O presidente da Amam, José Arimatéa Neves Costa, destacou a importância da visita do governador como forma de união entre os poderes para resolver os percalços que Mato Grosso vem atravessando. “É preciso uma política transparente e bom relacionamento institucional para que, juntos, os três poderes possam superar a crise que acomete os Estados”.

Durante a apresentação, Pedro Taques explicou que atualmente o governo vem trabalhando com fluxo de caixa, ou seja, é preciso que o dinheiro entre na conta para que possa ser repassado porque não há reservas. Segundo o governador, a crise poderia ser ainda maior caso o Poder Executivo não tivesse agido com austeridade para fazer cortes e reduzir despesas. Segundo o gestor, medidas tomadas ainda em 2015 e fortalecidas em 2016 geraram economia de R$ 630 milhões em 23 meses da gestão.

“Estamos hoje aqui porque queremos dialogar com que está preocupado com o Estado. Estamos passando por momentos difíceis, o Estado pode quebrar se algumas providências não forem tomadas”, afirmou Pedro Taques, que também divulgou que déficit do governo pode chegar a R$ 1,5 bilhão.

Além dos cortes de gastos, também foram destacadas as necessidades de reformas, como a tributária e a administrativa que estão sendo apresentadas. Os secretários da Casa Civil, Paulo Taques, e de Planejamento, Gustavo de Oliveira, também participaram da reunião.

Gustavo de Oliveira, que assume agora a secretaria de Fazenda, disse que é fundamental entender que a crise atinge a todos. “Todos precisam estar cientes para que possam colaborar. Vamos fazer reformas para que possamos cumprir os compromissos”.

Para fechar as contas deste ano, com os repasses, pagamentos de salários e décimo terceiro, o governo conta com o pagamento da multa oriunda da repatriação, calculada em R$ 108 milhões, e os repasses referentes ao Auxílio Financeiro para Fomento às Exportações – FEX, estimado em R$ 400 milhões.

Apesar da escassez de recursos e restrição da capacidade de investimentos, o governador Pedro Taques afirmou que há perspectivas de que, em meados de 2017, as coisas comecem a melhorar. “Temos uma expectativa de melhora a partir de julho de 2017 com a perspectiva de uma supersafra. Mas ainda é só uma expectativa”.